Dois Projetos da Escola Sesi são premiados na feira brasileira de jovens cientistas

O contato com projetos de iniciação científica nas Escolas do SESI, na Paraíba, tem gerado produções relevantes nas mais diversas áreas, com reconhecimento pelos benefícios apresentados. Na 2ª edição da Feira Brasileira de Jovens Cientistas, que aconteceu de 23 a 27 de junho, dois projetos da Escola SESI Prata, de Campina Grande, foram premiados.


O projeto “Lixeira Descontaminadora Ultravioleta – LDU”, que utiliza as propriedades da luz ultravioleta, para descontaminar as máscaras de proteção facial utilizadas pelas pessoas durante a pandemia, ficou em 3º lugar na categoria Geral Engenharias. Os alunos responsáveis pela pesquisa receberam certificação e medalhas no Prêmio Jovens Cientistas Revolucionários. Com o resultado a equipe recebeu uma credencial para a 11º Edição da Feira de Tecnologias, Engenharias e Ciências de Mato Grosso do Sul - FETECMS 2021, que ocorrerá de 8 a 12 de novembro, de maneira virtual.


O projeto desenvolvido pelos alunos Carlos Daniel da Silva Nogueira , Isabelly Vitória Sousa Rocha e Victor de Oliveira Gadelha, além de reduzir o impacto ambiental, já que muitas máscaras descartáveis são lançadas no meio ambiente, ajudará a população a evitar a contaminação pelo contato com esses materiais. 


Outro projeto da Escola SESI premiado foi “Análise sensorial do bolo de caneca enriquecido com farinha produzida a partir de cascas de legumes”, que também ficou em 3º lugar, só que na Categoria Ciências Agrárias. As alunas Eloísa Pereira Torres e Maria Eduarda Nunes dos Santos, responsáveis pela pesquisa, também receberam certificação e medalhas, no Prêmio Jovens Transformadoras – Organização Força Meninas e vouches de R$ 100 na Amazon.


A pesquisa busca produzir e avaliar por meio de um teste sensorial o bolo de caneca enriquecido pela farinha produzida a partir das cascas de legumes. Durante o desenvolvimento do trabalho foram comparados os aspectos como textura, sabor, aroma e cor de cinco formulações com diferentes teores de farinha de cascas e legumes em substituição a farinha de trigo. O teste sensorial revelou dados estatísticos importantes para fundamentar a proposta de utilização integral dos alimentos em misturas multinutricionais como a farinha, base para várias receitas.


A Escola SESI da Paraíba participou do evento, concorrendo com três projetos, os dois premiados, e também com a pesquisa “Promoção da saúde mental em tempo de pandemia da Covid-19 por meio de jogos”, desenvolvida pelas alunas Ana Beatriz de F. Freire e Jamilly de Sousa Ramos.


Esta edição da Feira Brasileira de Jovens Cientistas contou com a participação de 242 escolas do Brasil, e registrou 182 projetos finalistas. A FBJC tem como objetivo divulgar projetos científicos para estudantes, professores e público em geral. No evento, os trabalhos apresentados são lapidados por meio dos feedbacks da comissão julgadora, além disso, a Feira conecta alunos e professores de todo o Brasil, valorizando a produção científica e os pesquisadores.

Compartilhe

Envie para seus amigos através de alguma rede:

CATEGORIAS